Lembro de quando era pequeno.

“Era 1989, e eu morava na rua Anchieta, 1775, em Pelotas. O apartamento era o 409.
Era um tempo novo, em minha não tão velha vida. Acabara de completar sete anos, e o colégio não parecia a melhor coisa do mundo.

Meus pais haviam se separado em 88, então, aos sábados meu pai me buscava as 9am.
Eu sabia que ele chegaria sempre no horário, mas faz parte de mim dramatizar as coisas. Com toda minha ansiedade, eu descia para frente do prédio as 7am.

Era bem melhor. O nervosismo tomava conta, enquanto eu imaginava a imagem de meu pai no colégio Sta. Margarida, que ficava na esquina de casa.
A cada adulto que enxergava no horizonte, eu me preparava como se fosse a hora. Cabelo devidamente desarrumado, xinelos Rider e roupas que minha mãe escolhia.

Quando ele chegava, o dia aquecia, tudo ficava colorido, e todo aquele nervosismo virava amor.”

 

Seu Palito

 

Escrito em junho de 2007, por Rodrigo Tavares.